quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Dois e cinquenta - Décima quinta parte

Havia passado todo o fim de semana e agora, na segunda, Miguel voltava a trabalhar. Faltara na última sexta e por isso, mesmo às 6h da manhã e ainda com os pequeninos repletos de remela, estava sedento por fios vermelhos e uma certa íris azul. Se pudesse, naquela segunda cinza e garoada, daria para aquelas duas todos seus fluidos.

Ultimamente ele tem se imaginado 2,50. Elas, 2. Ele, 0,50. Metade, como sempre. Ele nunca fora inteiro mesmo. Passava então eternos segundos entrelaçado no lençol de sua cama, imaginado tais insanidades, até que seu “amigo” dava-lhe um “oi”, e ele corria até o banheiro para suas atividades de macho-alfa.

O dia estava raivoso. O cachorro de sua vizinha, Marieta, tentara-lhe rançar as calças com mordidas enfurecidas; o Chevet da verdura quase o atropelara e por pouco não perde o ônibus e seus dois reais.

Notou o esquecimento. Esqueceram de notá-lo. Ambas trocavam piscadelas e sorrisos enquanto ele, em pé, não conseguia entender nada. E quanto à ele? Não se incluía neste jogo de sedução? E quanto à Caeiro e Vinícius?

¹Quem vai pagar o enterro e as flores se eu morrer de amores?

Por quase toda a viagem seguiu quieto; mal podia-se ouvir sua respiração. Enquanto elas exalavam desejo, ele voltava a se entender japonêsbrasileiroportuguês. Nada inteiro. Decidira então agir. Levantou-se, foi até o azul e disse:

- Não quero in...in..incomodar! mas por Deus, como penso em você! Como nado e flutuo em seus olhos, menina! Prometo não importuná-la novamente, caso seja isso que queira, mas preciso do seu endereço - pronto, gozou. A fala às vezes dava-lhe tesão.

Assustada ela respondeu seca e ríspida. Tinha medo do que Rebecca pudesse pensar. Já Miguel, sorriu aliviado e partiu em direção à 3ª poltrona da fileira do corredor. Fogo.
- Preciso do seu endereço!
- Ãhn?
- Desculpe a intromissão, mas preciso. Não consigo mais viver nos sonhos do seu inferno, queimando no teu fogo.

Ela respondeu, sem demoras.
Ele desceu, mesmo fora de seu ponto, antes que um infarto engolisse seu coração, que agora mais parecia um sambódromo carioca em dia de carnaval. Mas algo alimentava sua curiosidade: por que elas deram o endereço assim, tão facilmente? Talvez ele ainda estivesse inserido no jogo.

Naquela tarde deixou em uma porta uma garrafa água viva, e na outra um isqueiro. Com convites. Convidadas. Passou a madrugada mergulhado em ansiedade, imaginação e corridas ao banheiro,

¹ Vinicius de Moraes

(e)

8 comentários:

  1. AAAAAAAAAAAAAFSH!
    EU VOU ESCREVER A ULTIMA PARTE? TÁ ZUANDO? HAHAHAHAHAHHAHAHA

    ADOREI MINEIRA, ESCREVE UM LIVRO? (não pode deixar de ter a rasgação de seda habitual)

    AAAAAAAAAH!

    ResponderExcluir
  2. Miguel se entregando, cara! Amei amei amei! Meus filhos também vão ler seus livros, certamente.

    ResponderExcluir
  3. gente, vamo continua essa porra or not? :)

    ResponderExcluir
  4. vamos continuar!andemmm!

    ResponderExcluir
  5. Para maiores de 18 anos é ótimo! hahahahaha

    ResponderExcluir
  6. Vocês três são doudas. Poucos, ou ninguém, abordaria a cobradora do ônibus desse jeito e diria as coisas que a Rebbeca e esse tonto dizem.

    ahh, eu adorei o/

    ResponderExcluir